terça-feira, 24 de agosto de 2010

Garganta.


Só imagino o que aconteceria se todos falassem tudo o que pensam. Quer dizer, nem consigo visualizar metade da cena. Será que iríamos respirar podridão, e sentir falta da até agora mal falada falsidade? Rir da desgraça alheia seria como o pão de cada dia? Espera, não ia mudar muita coisa. De que adianta bocas carnudas meladas de gloss, se quando abertas, o fedor da ignorância se faz presente? Tão ruim quanto, são as mentes chacoalhantes que não ousam dividir suas vozes. Realmente não sei interligar assuntos, mas tudo bem.
Ah, o silêncio.
Tão longe.
Que nem escuto seu som.

11 comentários:

  1. Eu acho que se todo mundo falasse o que pensa não ia ser uma coisa muito boa. Porque muitas vezes pensamos coisas quando estamos de cabeça quente! e não ia ser legal falar... iamos acabar nos arrependendo depois. Porém, muitas vezes seria bom. Enfim, uma contradição né. O silêncio as vezes pode falar muito mais do que mil palavras...
    gostei muito do texto e do blog tmb.
    to te seguindo, beijos.

    ResponderExcluir
  2. Se falarmos tudo que pensamos, poderíamos nos machucar muito mais. Pois não são todos que sabem usar as palavras.

    ResponderExcluir
  3. Como tudo há sempre lado positivo e lado negativo, falar tudo o que pensa não seria diferente.

    ResponderExcluir
  4. Aiii essas mascaras me fazem lembrar do filme Vanilla Sky iaiaiaia...rsrs
    adoreii

    ResponderExcluir
  5. Às vezes o silêncio é a melhor resposta.
    Quanto a falar tudo que pensamemos, tenha certeza que este mundo estaria recheado de verdades doloridas e pessoas magoadas. Por outro lado, teríamos conhecimento de casos escusos...

    ResponderExcluir
  6. O silêncio é ensurdecedor. Falar é preciso. Com respeito, é claro.
    Mas nunca deixe de dar sua opinião.

    ResponderExcluir
  7. O silêncio também pode falar muito..
    É só uma questão de saber lê-lo!
    Belo post!
    ;D

    ResponderExcluir
  8. O silêncio também fala muito... adorei.

    ResponderExcluir

Pode falar, não mordo.